Terça-feira, 2 de Outubro de 2007

...

Quando a solução não depende do acaso!

 

Solicitaram a minha assinatura para trucidar definitivamente o maior flagelo que a Humanidade inventou: a guerra como solução idónea para as beligerâncias e antagonismos. Se o momento podia ter sido somente mais um e a assinatura apenas sintomática do beneplácito, a situação tornou-se insigne. Reparei que calamidades que decorrem exclusivamente de uma faceta furtiva e funesta intrínseca ao Homem são pelo mesmo assumidas como triviais. Tornamo-nos indolentes e insensíveis, somos capazes de coabitar com o cataclismo ainda que a solução não nos transcenda. Encontramo-nos numa altura patibular, em que a resolução destas patologias, réprobas por uma degeneração morosa mas crescente, é considerada quimérica. Paralelamente a todas as peculiaridades desta Modernidade, persiste um paradoxo inaudito: a possibilidade de mudar o Mundo é progressivamente exequível mas a intervenção estiola.  

Em tempos ancestrais, e de uma forma lancinante, considerávamo-nos coibidos de intervir porque crédulos da limitação imputada pelas directrizes do omnipresente, enclausurados no obscurantismo pelo crepúsculo do conhecimento insipiente desconhecia-mos a existência da faculdade que nos diferencia: a razão. O que acontecia era destino, malogro ou fortuna; no contexto ulterior, o Iluminismo disseminou,  paulatinamente começámos a perceber que, não obstante à verosimilhança da existência de forças que nos excedem, a nossa vida e decisões, rumo e mudanças, corolários e consequências são sobretudo, senão totalmente um resultado da nossa vontade; agora, no tempo de espectro de evolução incomensurável, somos seres conscientes, conhecedores das nossas fronteiras, ainda que aspirando sempre o horizonte, onde os problemas que imperam e são prementes têm o homem como cerne: começam por culpa deste, desenvolvem-se por displicência do mesmo e não findam por frivolidade de uns e conformismo de outros.

É ignóbil como convivemos tranquilamente com a atrocidade! E quando consigno tais assumpções , imediatamente se insurgem aqueles que se resignam diariamente reclamando e indagando o que pode ser feito, se quem governa são os políticos? Pois os que se sublevam com quem os acusa, para eles inadvertidamente, ostracizam que a realidade não é o que existe, mas um resultado do que assumimos como tal. A guerra não é uma conjuntura inerente à convivência, é imanente porque o homem se habitou ao facilitismo. Proscrevemos que quem nos lidera tem legitimidade porque a delegámos, podemos rebelar-nos, gritar mesmo que ninguém nos ouça, porque deixar de sonhar é morrer. A esperança sucumbiu ao conformismo e o marasmo prolifera, porque é confortável delegarmos responsabilidades e eximirmo-nos da nossa culpa. A guerra existe porque a perpetramos.

O mutismo profuso é ensurdecedor, pois o pior veneno para a audição é o silêncio consequente da incapacidade de nos ouvirmos, de nos compreendermos, de nos juntarmos. A Torre de Babel ressuscitou dos primórdios e agora não está confinada a uma parte do globo, a Mesopotâmia, é o mundo! Os tempos de línguas universais são concomitantemente e curiosamente o tempo em que menos nos entendemos.

Verdade que sou exímia a detectar defeitos, não por fatuidade inata mas por perceber que sendo a perfeição utópica e indesejável, a mudança é imperória porque sinónima de maioridade.

Tecemos impropérios aos tempos, lamuriámo-nos da ausência de causas, somos saudosistas de um 25 de Abril onde as pessoas tinham porque ser refractários e olvidamos que os motivos para a luta desapareceram porque os valores pereceram. Alegamos a carência de motivos plausíveis para pugnar, sem repararmos que a sua ausência não é corolária de inexistência mas escassez de procura. A altura é deveras pungente, as ditaduras não são iniludíveis porque não têm cara, não estão circunscritas a um espaço territorial e não têm os dissidentes. O despotismo é da passividade e indolência do indivíduo anónimo que, ainda que não interfira, corrobora  obliquamente com os actos ominosos porque se silencia. Deixa que terceiros com os seus álibis inanes obnubile a sua lucidez e dilacere o seu discernimento, acabando por convencer que a querela é aceitável. É anémico perante a persuasão dos mentores dessas soluções em prol de finalidades altruístas e por isso não atenta que os argumentos não passam de invólucro. A ambição por hegemonia é inexaurível e desproporcional face ao anseio prurida de nos tornarmos  Homens.

Vamos expurgar o sonambulismo que nos invade, depurar esta sedentariedade de acção e acreditar que o idealismo não é académico! A vida é uma construção, se é irrefragável a capacidade de a destruir, tem de ser inolvidável a possibilidade de a reconstruir!


publicado por portalegreeomundo às 21:59
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. ...

. ...

. ...

. Quando n...

. Quando a predisposição da...

. ...

. ...

. ...

. ...

. ...

.arquivos

. Outubro 2007

. Maio 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

.favoritos

. ...

. ...

. ...

. A...

. O cinema: um horizonte da...

. ...

. ...

. Unidad...

. A mudança ...

. Já aspira altitude…

SAPO Blogs

.subscrever feeds