Terça-feira, 2 de Outubro de 2007

É fácil quando aceitamos o difícil!

 

O medo é o substracto da insegurança e a última o motivo para a letargia. O receio fomenta o afastamento da conjuntura que nos imputa a sensação de sermos anódinos, porque como comuns humanos temos uma incomensurável dificuldade em lidar com o que, ainda que temporariamente, nos faz sentir menores. Ostracizamos, contudo, que é quando aceitamos, mesmo que por momentos, ser pequenos nos tornamos maiores!

É irrefragável que a vida deve ser deleitosa e maioritariamente susceptível de regozijo e ledo. Todavia, é concomitantemente iniludível que não há refulgência sem crepúsculo. O sacrifício não é perene e deve ser inusitado, mas o esforço, o ímpeto, a procura e a luta são imperórios e contíguos à felicidade. E só aqueles que conheceram a escuridão logram desfrutar a plenitude do reverberado.

Desconheço se é tendência remota, característica intrínseca, defeito endémico ou simplesmente displicência, a verdade é que actualmente a frustração, a desilusão, a depressão e a insatisfação tornaram-se sentimentos típicos. E isto porque desistimos de pensar, ou melhor, reflectir. Invertemos o processo, em lugar de procurarmos as causas, transitamos imediatamente para identificação dos réprobos. Como essa culpa é, quase sempre,  limítrofe à fronteira da nossa conduta depressa insistimos na proscrição, porque os erros são das poucas garantias para a vida e é desgastante a convalescença recorrente. Considero o estado de “HOJE” o mais ignóbil, é o neutro. Nem triste, nem contente, onde o “cá se vai andando” é elucidativo do estoicismo relativamente ao que era suposto a vida provocar naqueles que são a sua personificação.

É primordial termos a humildade de considerarmos estar errados, a fatuidade de sermos capazes, a capacidade de nos sentirmos débeis e descontentes, a naturalidade de encararmos a infelecidade um estado anímico como tantos outros e portanto efémero. Se hoje é difícil ser feliz é tão somente porque a proporcionalidade entre ambição e luta é inversa. Almejamos sem limite, mas para a concretização somos tetraplégicos.

A capacidade de coabitar com a derrota é uma virtude sempre que, em conúbio com essa, existir a consciência que o que nos transcende é irrisório. É a incapacidade de conviver com a derrota, com a admoestação e a falha que nos compele a escolher a alternativa aparentemente mais fácil e célere. Portugal está estagnado porque os Governos precedentes foram incautos; a democracia não alcança o seu objectivo fulcral: o consenso, porque a oposição culpa o partido líder e o último é surdo às suas propostas; os alunos não passam porque os professores dificultam; os professores não vingam porque os alunos são insuportáveis; a economia é outro sintoma do marasmo porque os portugueses são indolentes; a população não é afanosa porque não é monetariamente compensada de forma satisfatória; a Humanidade não aplica o que é alvitrado para minimizar o flagelo ambiental porque é inevitável; a referida calamidade é inelutável porque o homem a considera uma aporia. Isoladamente não somos felizes porque não temos o emprego que aspiramos, estamos sozinhos ou mal casados, vivemos onde não queremos, somos indigentes porque a materialidade nunca é demais, no entanto indago: procuramos um outro emprego e se tal for realmente impossível, dedicamo-nos o suficiente ao que temos tentando ser altamente profissionais ao ponto do que se tornou trivial voltar a ser um desafio? Respeitamos o tempo do tempo ou sucumbimos a quem está caucionado mesmo que essa pessoa não nos transporte para a poltrona do inefável? Em lugar de ver a união definitiva a alguém como um condicionante à liberdade, tentamos recuperar o principal alicerce de qualquer relação? Atribuímos e valorizamos o que temos tantas vezes quantas as que nos lamentamos o que não temos? Perguntas retóricas porque as respostas ficam connosco.

A perfeição não é a meta porque urge a aprendizagem. O “impossível”, o “nunca” é o que nos conduz ao precipício. A ponte existe, as vertigens podem ser insuportáveis mas do outro lado a estrada continua....


publicado por portalegreeomundo às 22:19
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. ...

. ...

. ...

. Quando n...

. Quando a predisposição da...

. ...

. ...

. ...

. ...

. ...

.arquivos

. Outubro 2007

. Maio 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

.favoritos

. ...

. ...

. ...

. A...

. O cinema: um horizonte da...

. ...

. ...

. Unidad...

. A mudança ...

. Já aspira altitude…

SAPO Blogs

.subscrever feeds