Segunda-feira, 26 de Junho de 2006

Timor na corda bamba!

Nos últimos dias temos sido presenteados com imagens, deveras, chocantes! Não querendo ser drástica, penso que se aproxima a queda de um regime que ajudamos a construir. Muitos advogam a previsibilidade de tais acontecimentos, segundo os mesmos é comum em países cuja liberdade ainda é valor recente; outros a debilidade das instituições políticas e orgãos de soberania; os mais equânimes, a incapacidade dos dirigentes; é um facto que não é verdade assegurada a República num país, durante tanto tempo, submetido ao monopólio de outro contíguo; também é verosímil que a vontade e a preserverança são exíguas para a consolidação dos valores que devem reger um país; Mas mesmo aceitando todos estes pressupostos, não deixo de sentir uma profunda tristeza com o clima de guerra civil que se vive em Timor.

Quanto a mim, e permitam-me opinar mesmo que sustentada unicamente numa vasta ignorância, a responsabilidade não é exclusiva das forças internas. É fungível e alastra-se, especialmente, aqueles que tornaram possível a concretização do que durante décadas foi uma quimera, a independência de Timor. Mais uma vez é notória a movimentação e intervenção subjugada aos interesses. Concomitantemente à democracia infantil, existem uma panóplia de pressões que não permitem que a anterior cresça. A relevância desta opinião pode ser nenhuma quando fundamentada, somente, na acuidade e leitura, mas mesmo assim ouso expô-la. Algo me diz que esta revolta militar não se deve, só, ao descontentamento com o Governo…Alimentada, quem sabe, por interesses de países congéneres cujas aspirações se sobrepõem À harmonia do país. Entre muitas outras mais-valias, o petróleo parece-me ser um aliciante que atrai o investimento, mas, ainda, a tentativa de controle. E ao contrário do que Alkatiri afirmou, esta pretensão a manipulação não se circunscreve À Indonésia…

Desconfio, e agora é a maldade ou visibilidade a falar, da indulgência das grandes potências na ajuda garantida e por tempo indefinido. Convenhamos que, para países como a Austrália, por detrás de uma grande ajuda está sempre uma grande ambição! A fragilidade do país será um meio mais fácil de garantir a dependência de Timor a outros e, consequentemente, a facilidade de exploração do mesmo.

Claro que com isto, não pretendo desculpabilizar ou ilibar os dirigentes políticos timorenses. Com excepção de Xanana Gusmão, e tendo em conta o sistema subjacente, está a fazer tanto quanto pode na medida das suas competências. De salientar ainda, o facto de saber usufruir da imagem humanitária que construiu e proximidade com o seu povo, factores que aproveita para tranquilizar os ânimos e credibilizar a democracia. Quanto aos restantes, o protagonismo vai para Alkatiri, primeiro-ministro, Luís Lobato, ministro do interior, e Ramos-Horta, que além das restantes acumula a pasta da defesa. Quanto a mim, só o que têm feito é agudizar a instabilidade tanto da população, como dos que principiaram tudo isto. Alkatiri, e mesmo valorizando a persistência e devida resistência (pois nestas alturas a pior decisão é sucumbir às exigências), perde em tudo: na imagem que transparece, de chefe de Governo arrogante e prepotente, indisponível para os conselhos ou diálogo; na ineficácia das suas acções; no fugir de responsabilidades, delegando culpas; Todas estas condições adicionadas à conspurcação de que é acusado, fizeram dele um indivíduo ignóbil e de maneira alguma susceptível de alguma possibilidade de continuar no cargo. Aliás, situação esta, entretanto, demarcada por Xanana Gusmão, na carta que lhe enviou ontem. Já Ramos-Horta é bem mais discreto e inteligente. Confesso, desde já, que qualquer opinião que possa tecer a respeito de tal pessoa vai estar sempre condicionada pela desilusão com uma entrevista sua, acerca da ONU. A presunção e vaidade que demonstrou revelaram um homem que não ambiciona a paz, mas o prestígio e o reconhecimento pessoal. Calculista, parece-me não ser idóneo para as pastas que acumula. Não perdeu, enquanto pode, oportunidades para acusar o companheiro de Governo. Pior que a ausência de modéstia, só mesmo a insídia!

Quanto ao resto é indiscutível que o ambiente de confusão e balbúrdia não vai conhecer o fim tão depressa. O que não deixa de ser nefasto, pois além da desacreditação galopante das instituições, o país vai cavando o buraco do retardamento e subdesenvolvimento

publicado por portalegreeomundo às 10:38
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. ...

. ...

. ...

. Quando n...

. Quando a predisposição da...

. ...

. ...

. ...

. ...

. ...

.arquivos

. Outubro 2007

. Maio 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

.favoritos

. ...

. ...

. ...

. A...

. O cinema: um horizonte da...

. ...

. ...

. Unidad...

. A mudança ...

. Já aspira altitude…

SAPO Blogs

.subscrever feeds